Arquivo mensal: julho 2011

couch potato

Michael Voltaggio, um dos meus participantes preferidos de Top Chef.

Eu não consigo gostar do Super Chef do Mais Você. Para mim, é uma cópia mal feita do Top Chef, um casamento forçado com Big Brother, porque aquilo é um mais “convivência” que competição gastronômica. Além disso, conta com voto popular. Como o telespectador pode votar num prato que não degustou e nem cheirou? E sabemos de antemão que o telespectador vota sempre no mais coitadinho ou bonitinho. Não por acaso, tem a mesma fonte do BBB, Boninho.

É uma pena que o Super Chef seja ruim, pois poderia servir como uma grande janela de possibilidades gastronômicas. Zapeando pela tv, encontrei ótimos programas de gastronomia, de reality shows até séries na internet. Confira o guia:

Top Chef. As pessoas têm certo preconceito com reality shows, e com razão, mas existem realitys excelentes . Top Chef está para a gastronomia assim como Project Runway está para a moda. São 16 talentosos cozinheiros disputando não só dinheiro, mas também reconhecimento profissional. Os desafios são realmente desafiadores, desde fazer o banquete de casamento em um dia até melhorar o almoço de uma escola. O programa já está em sua oitava temporada nos Estados Unidos e tem dois filhos: Top Chef Masters (apenas com chefs renomados) e Top Chef Just Desserts (sobremesas). O Sony acabou de exibir a segunda temporada de Masters e começa a primeira temporada de Just Desserts no dia 13 de agosto. Top Chef, Sony, sábados 22:00h (a partir de 13/08/11). Horários alternativos no site do canal.

Anthony Bourdain: Sem Reservas. Série que começou em 2005 e está atualmente em sua oitava temporada. O renomado chef e escritor Anthony Bourdain viaja pelo mundo e faz episódios variados. Pode ser sobre um destino ou um tema, como restaurantes em extinção de Nova Iorque e comida pornô (aquela que nos excita e nos faz lambuzar a cara). O Discovery Travel & Living exibe o programa no Brasil, sem uma ordem certa (está passando a 2ª e a 6ª), mas não importa, é sempre delicioso. Anthony Bourdain: Sem Reservas, Discovery Travel & Living, sábados 21:00h. Horários na programação do site.

Jamie Oliver. Acompanho o chef inglês desde seu primeiro programa, The Naked Chef, de 1999, exibido aqui pelo antigo Travel Channel (que depois virou People & Arts e hoje é Liv). De lá para cá, ele casou, teve três filhas e se aventurou em vários programas próprios. Já tentou mudar a merenda escolar inglesa, treinou jovens carentes para seu restaurante Fifteen e fez várias fugas gastronômicas. No Brasil, ele começou a ficar conhecido com Truques de Oliver (Oliver’s Twist), exibido pelo GNT,que passou também seus programas seguintes:  Jamie at Home, Jamie’s School Dinners, A Grande Fuga para a Itália, A Viagem pela América, Jamie Does e atualmente exibe Jamie’s 30 Minutes Meal. Este último não é o meu favorito, mas vale ficar de olho na programação porque o GNT sempre reprisa seus outros programas. O que gosto nele é sua paixão pela comida, seu entusiasmo e a certeza de que uma boa alimentação pode mudar a vida de qualquer um. Ah, e cozinhar não é um bicho de sete cabeças. Jamie Oliver, GNT, quintas 21:00h. Outros horários aqui.

Gordon Ramsay. Por incrível que pareça, ele tem apenas 45 anos. Sim, dá vontade de dar uma panelada na cara dele, mas foi seu temperamento que o transformou numa celebridade televisiva, e ele tem o seu valor. Não gosto de Hell’s Kitchen e nem da versão americana de Kitchen Nightmare, acho as duas muito pré-roteirizadas e produzidas, o que dá um tom fake e forçado. Também acho, com o perdão da palavra, muito escrotas. Gosto das viagens gastronômicas, como a que ele fez à Índia, e da série que o GNT está exibindo atualmente, Ramsay’s Best Restaurant, uma competição para eleger o melhor restaurante da Inglaterra. Infelizmente, suas outras séries, com exceção de The F Word, nunca foram ao ar aqui no Brasil. Ramsay’s Best Restaurant, GNT, domingos, 12:15h.

Receitas de Chuck. Ele não é muito conhecido, é meio esquisito, mas parece ser legal. O canadense Chuck Hughes aproveita seus dias de folga para ensinar receitas no seu próprio restaurante. O programa é simples, descontraído e com ideias bem bacanas. Assim como a proposta de seu restaurante, a intenção é fazer comida boa para reunir familiares e amigos. No site, além de ver os horários alternativos, você confere receitas e vídeos. Receitas de Chuck, GNT, sábados, 12:30h.

Viagem Gastronômica. A última dica também vem do GNT, mas desta vez, é exclusiva para a web. A chef Karen Couto viaja pelo mundo e registra receitas, lugares, restaurantes, curiosidades e entrevista chefs. Basta clicar aqui e boa viagem!

Se você sentiu falta de programas brasileiros, aqui vai a minha explicação. O Que Marravilha é super simpático, mas não é bem um programa de comida. Quer dizer, é, mas a gente tem mais interesse em ver como o participante vai se sair do que na comida em si. Já o Diário do Olivier é algo pessoal, realmente não consigo me entusiasmar.

filé de brontossauro

O homem nunca conviveu com dinossauros, isso só aconteceu nos episódios do Flintstones, da Família Dinossauro, do Elo Perdido, nos filmes do Parque dos Dinossauros… enfim, só na ficção. Mas o Homem das Cavernas caçou animais tão grandes quanto, como o mamute. O interessante, é que o Homem das Cavernas como imaginamos só entrou para o nosso imaginário depois de um salto evolutivo, e tem a ver com alimentação.

Sabe-se muito e, ao mesmo tempo, muito pouco sobre nossos antepassados de milhões de anos. O esqueleto bípede mais antigo que se tem notícia tem de 3,8 a 4 milhões de anos e foi justamente neste estágio da evolução, talvez um pouco mais a frente, que o homem, os famosos australopiteco e Homo habilis, na áfrica oriental começaram a caçar. Isso, há cerca de 2,5 a 1,5 milhão de anos. Até então, a alimentação era exclusivamente vegetariana e o australopiteco foi obrigado a encontrar outras fontes de alimento depois de migrar para áreas onde a quantidade de alimento vegetariano era menor. Se ele se tornou bípede, isso facilitou a caça, porém ele realmente caçava ou aproveitava os restos deixados por animais? A resposta ninguém sabe ao certo, mas pelo que tudo indica, as duas coisas. Caçar exigia muito do homem, além de arriscado. Um mamute, ou um mesmo um animal de porte menor, podia matar com um só movimento. E o homem, mesmo evoluído, ainda era bem primitivo. Então o homem aproveitava restos, mas quando a coisa apertava, o jeito era enfrentar o bicho.

Como disse no outro parágrafo, muito se sabe e também pouco se sabe. São teorias que fazem sentido, mas qualquer descoberta, estudo ou análise pode alterar tudo. No último sábado, foi noticiado a descoberta de fósseis na Ucrânia mostra que o Homo sapiens era uma criatura vaidosa e canibal. Além de adornos feitos de ossos e presas, havia um crânio rachado exatamente como eles rachavam os crânios de animais para a retirada do miolo. Tal prática devia ter uma conotação “religiosa”, como a de tribos que comem partes de adversários mortos para mostrar coragem e poder. Por enquanto, é apenas uma suposição. Mas o que isso tem a ver com a História da Alimentação? Bom, se a carne tem papel de destaque hoje – vamos lembrar que em quase todas as culturas, a carne sempre foi a estrela em cerimônias, festas e oferendas -, é importante saber quando, como e por que o homem se tornou onívoro. E não pense que paramos de evoluir!

%d blogueiros gostam disto: